26 km de bike na estrada caminhos do mar

26km

Um passeio “leve” na estrada Caminhos do Mar e um pouco de trilha de terra para sujar e parecer um MTBiker “profissional”.

É um lugar bem legal. Há dezenas de ciclistas tanto de speedy quanto de MTB, várias pessoas caminhando e correndo e muitas motos e jipes. Há várias trilhas que eles utilizam apesar de todas serem “proibidas” pela Polícia Florestal. É uma área de reserva, mas é possível ver os jipes no alto do morro depois de subir por trilhas impossíveis.

26km  26km

 

Infelizmente não pode continuar depois da guarita que bloqueia a estrada evitando que se vá até a estrada velha. Conversei com o guarda e ele disse que a pista é bem escorregadia e perigosa. O governo deveria preparar o lugar para o turismo.

A impressionante Gota do Príncipe Rupert

Uma gota de vidro que tem muito força dentro de si. Você deve ver esse vídeo…

O vidro é um material impressionante como prova todas as suas aplicações no mundo moderno. De um simples copo até a tela de seu smartphone.

Mas no vídeo anexo podemos ver uma característica do vidro que, provavelmente, você nunca viu.

Uma Gota do Príncipe Rupert é o vidro saído do forno e jogado dentro da água fria. Forma-se uma gota com uma longa cauda.

A gota fica extremamente dura. Você pode bater com o martelo que não se quebrará. Mas basta você quebrar a cauda que uma coisa muito impressionante acontece. Assista o vídeo.

Fonte: http://io9.com/meet-prince-ruperts-drop-its-about-to-blow-your-mind-458693550

40 km de bike pela cidade

Volta pela cidade de bike, 40 km.

Inverti o sentido indo primeiro para o Ibirapuera pela ciclo faixa do Villa Lobos e depois subindo a Indianópolis, Vergueiro, Paulista, Consolação, Minhocão,  Matarazzo. Do Ibirapuera para a Vergueiro é uma boa subida…

40 km de bike
40 km de bike

Como éramos ingênuos

Hoje fiz uma coisa que não fazia desde a adolescência.

Hoje relembrei um pouco da minha adolescência. Lavei o carro na casa de meu pai. Só faltou a volta com o carro no quarteirão, para “secar”. Desde que comecei a trabalhar e ter meu próprio dinheiro, nunca mais quis ter esse trabalho árduo.

Antes dos 18 anos, todo sábado eu me oferecia para lavar o carro dele sonhando com o dia que eu teria o meu próprio. Depois de tantos anos e tantos quilômetros rodados, o carro, hoje, é só uma comodidade e em algumas vezes um estorvo devido aos gastos de manutenção e o nervoso que passamos no trânsito caótico de São Paulo.

Mas no final da decada de 70 e início da 80, ter um carro era o sonho de todos os adolescentes. Admirávamos com inveja os colegas que, na ilegalidade, já andavam de carro ou moto mesmo antes dos 18. Os que não tinham pais irresponsáveis como eles, só conseguiam dar uma voltinha “para secar” depois de muito trabalho.

Como éramos ingênuos.

 

Estamos mesmo em 2013?

Uma página no Facebook com mais de 4 milhões de seguidores falando sobre ciência (https://www.facebook.com/IFeakingLoveScience) já é, por si só, uma coisa notável. Mostra que milhões de pessoas se interessam por ciência e suas maravilhas. Pessoas de mente aberta a novidades que querem conhecer mais sobre o universo que habitamos.

Entretanto, muitos desses seguidores mantém uma mente fechada ao conceito de que todos são iguais independente do sexo, raça, classe social, ou credos.

Esses, na maioria homens claro, ficaram surpresos e não tiveram a decência de esconder sua misoginia postando comentários infames quando descobriram que quem mantinha a página era uma mulher.

Sendo eu pai de três meninas, fico muito triste em saber que elas não poderão escolher fazer e gostar de qualquer coisa sem ter que enfrentar esse bando de machistas preconceituosos e ignorantes.

Como disse a Elise Andrew (@Elise_Andrew) em post relacionando a isso, estamos mesmo em 2013?

Matéria no Guardian sobre o assunto…
http://www.guardian.co.uk/science/us-news-blog/2013/mar/20/i-love-science-woman-facbook